Segue-nos
PUBLICIDADE

Famosos

Raquel Prates acusa Luísa Castel-Branco: “Mandar calar, ofender, endereçar alguém para o psiquiatra, é uma ofensa”

PUBLICIDADE

Raquel acusa de inapropriadas as palavras da escritora, que recorreu a um tom agressivo, a falta-de educação, e ainda das suas habilitações académicas para se fazer valer nos argumentos.

Publicado

em

Por

Raquel Prates e Luísa Castel-Branco / facebook

Foi através das redes sociais e no seu blog que a ex-apresentadora e blogger Raquel Prates partilhou a sua opinião sobre a mais recente polémica gerada pelas comentadoras do programa da SIC CARAS, “Passadeira Vermelha”, Luísa Castel-Branco e Joana Latino.

PUBLICIDADE

A escritora e a jornalista foram protagonistas de uma acesa discussão onde debatiam o tema “barrigas de aluguer”, após comentarem a situação da socialyte americana Kim Kardashian, que foi mãe de uma menina no passado dia 15 de Janeiro, tendo recorrido a este método devido ao seu problema de saúde, que não lhe permite ter mais filhos.

Luísa Castel-Branco mostrou-se totalmente contra este método, mostrando muita indignação e revolta pelo procedimento.

Já a jornalista Joana Latino mostrou-se a favor, e foi na troca de opiniões que a situação se agravou gerando uma discussão em directo na TV, onde escritora usa argumentos em que expôs problemas pessoais de Joana Latino, “primeiro que tudo resolve lá o teu problema na psiquiatra ou  na psicanálise, de não ter filhos, ninguém tem culpa disso” terá dito Luísa.

PUBLICIDADE

Ora é neste sentido que Raquel Prates decidiu abordar o assunto. Não só o tema em causa, as “barrigas de aluguer”, mas a forma como a escritora usou das palavras e como foi rude, maldosa, mal-educada e agressiva”, na sua opinião.

Raquel começa por escrever, no texto já partilhado no seu blog e na sua página de facebook, que apesar de não ser um assunto que goste de abordar, sente que existe uma obrigação moral da sua parte de o fazer, “Há assuntos que gostaria, mesmo, de não os abordar. Porque isso ilustraria que eles não existem, que não tinham ocorrido. Mas quando acontecem, sinto-me com a obrigação moral de reflectir sobre eles e dar conta da minha opinião.”

Refere que este tema também ‘a toca’ porque a própria não pode ter filhos, e sentiu-se nas palavras de Luísa Castel-Branco, “Já assumi, publicamente, que dificilmente poderei procriar, é um processo pessoal que tem implicações e dor associado. Algo que exige trabalho no sentido de reduzir o sofrimento que daí advêm, razão pela qual não me quero alongar sobre tema. Mas não se enganem, não me torna menos apta para ser mulher, ou mãe.”

PUBLICIDADE

Sem nunca referir o nome das intervenientes ou da situação especificamente, as palavras de Raquel endereçam claramente a situação ocorrida, “Portugal é um País relativamente pequeno e dificilmente as pessoas que fazem, ou fizeram, televisão não se conhecem, ou não estiveram já juntas em várias circunstâncias. Este facto, em si, torna mais doloroso o propósito de comentar assuntos que foram gerados por pessoas com quem já privámos, mas também aumenta a nossa tristeza por essas mesmas pessoas serem responsáveis por episódios de intolerância e responsáveis pelas linhas que agora escrevo.”

Raquel acusa claramente de inapropriadas as palavras usadas pela escritora para expressar a sua opinião onde demonstra um tom agressivo, falta-de educação, e usa das  suas habilitações académicas para se fazer valer nos argumentos:

“Vejo, com bastante preocupação e alguma perplexidade, que há pessoas que por terem procriado e criado consideram as outras menos “habilitadas” para darem a sua opinião sobre a maternidade e as opções que a ciência e o progresso colocaram à disposição de mulheres que têm problemas de procriação. Pior, que o fazem de uma forma rude, maldosa até, e num misto de arautos morais e mentes muito “para a frentex”, escondidas atrás da palavra frontalidade.

Quero referir que frontalidade não é agressão, falta de educação, demonstração de intolerância ou apelo a qualquer tipo de agressividade, frontalidade é defender com educação e elevação as suas convicções (mesmo que erradas), não ultrapassando os limites em que se agride e violenta as convicções e princípios dos outros.

Este é um dos mais perversos sintomas da sociedade de hoje, uma confusão brutal sobre a linguagem utilizada e a correspondente nomenclatura, e atenção normalmente quando acontece vem junto de um “mostrar os galões” enaltecendo os seus currículos ou os seus vastos recursos académicos e linguísticos.”

PUBLICIDADE

A blogger continua e sai em defesa de Joana Latino, considerando que Luisa não tendo argumentos para defender a sua opinião usou da ofensa para se fazer valer, “Mandar calar, ofender, endereçar alguém para o psiquiatra, é uma ofensa, nada tem a ver com frontalidade, pelo contrário tem muito a ver com falta de argumentos, ou dificuldade em expressá-los. Nestes assuntos não basta uma pose “cool” e “despachada”, porque são apenas uma muleta que se fracciona perante os actos.”

Raquel termina referindo que o seu texto não pretende criar mais polémica e por isso não cita nomes,” não quero citar nomes, pois o objectivo não é criar mais uma polémica ou ofender quem quer que seja.”,  o que pretende com o desabafo e a sua opinião é “apelar à tolerância e também à reflexão. O assunto da crescente diminuição da fertilidade feminina e das consequências, dolorosas e por vezes dramáticas, que daí ocorrem para quem padece dessa limitação, é um assunto sério que deve ser tratado com civilidade.”

Lê aqui o texto escrito por Raquel Prates na íntegra.

PUBLICIDADE

Desde 2005 que te conto, todos os dias, as histórias mais frescas sobre música, famosos e redes sociais... Podes ajudar a melhorar este artigo, enviando um email para analeao@hiper.fm

Clica para comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

COMENTÁRIOS

TRENDING

PUBLICIDADE