Galerias

Escultura de mãos gigantes em Veneza alertam para alterações climáticas

O aquecimento global é uma bomba relógio que precisamos desarmar antes de explodir. Para aumentar a consciência sobre esta condição dos tempos modernos, o artista italiano Lorenzo Quinn construiu uma escultura monumental para a Bienal de Arte de Veneza 2017.

Quinn é amplamente conhecido por incorporar elementos das partes do corpo humano no seu trabalho, e este projeto não é diferente. Com o título “Support”, a obra retrata duas mãos maciças, a emergir de um canal.

“É uma declaração visual, de que as pessoas precisam responder ao aquecimento global adequadamente, antes que seja tarde demais.”

“Veneza é uma cidade de arte flutuante que inspirou culturas durante séculos”, disse Lorenzo Quinn à Halcyon Gallery.

“Mas para continuar a fazê-lo, ele precisa do apoio da nossa geração e das futuras, porque está ameaçado pelas mudanças climáticas, e pela decadência do tempo”.

Refletindo sobre os dois lados dos seres humanos – o criativo e o destrutivo – Quinn aborda a sua capacidade de fazer uma mudança, e reequilibrar o mundo em torno deles. O apoio evoca tanto a esperança na tentativa de manter o edifício acima da água, como o medo em destacar a fragilidade da situação.

É uma declaração poderosa com execução meticulosa. “Eu queria esculpir o que é considerado a parte mais difícil, e mais tecnicamente desafiadora do corpo humano”, disse o artista. “A mão tem tanto poder. O poder de amar, odiar, criar, destruir.”

Mais informações : lorenzoquinn.com  | Halcyongallery.comInstagram (h / t: colossal | boredpanda)

To Top