Segue-nos

Mundo

Video de menina síria, de 11 anos, a estudar num monte de “lixo” comove rede sociais

Publicado

em

Halime Cuma, uma menina síria de 11 anos, que sustenta a família a recolher papel para ser reciclado, foi matriculada no primeiro ano de uma escola em Istambul, depois de as autoridades turcas entrarem em cena, de acordo com uma fonte do Ministério da Educação turco.

Tudo começou depois de um video da menina, sentada numa pilha de lixo a estudar, com um livro e lápis na mão, ter provocado protestos nas redes sociais sociais na Turquia no início desta semana.

Enquanto as histórias circulavam nos “media” turcos sobre a situação de Halime, e da sua família, o ministro da Educação da Turquia, Ziya Selçuk, instruiu o seu ministério a contactar a família da menina.

O ministério contactou o pai da menina, Abdulrazaq Cuma, e prometeu cobrir os custos educacionais da sua filha, que não aparecia no diretório de crianças em idade escolar devido a um erro de documentação.

“Será assegurado que os nossos filhos em idade escolar sejam matriculados”, disse o ministro da Família, Zehra Zumrut Selçuk, em comunicado.

A menina estava a trabalhar para ajudar os seus pais a alimentarem a família que vive em Istambul.

Cuma recebeu a atenção do público com uma video que ficou viral nas redes sociais, quando vários internautas notaram que a menina se debruçava sobre um livro enquanto estava sentada num grande carrinho de mão que ela usava para recolher o papel para ajudar a sustentar os seus seis irmãos.

Veja o video:

Apaixonado por rádio e redes sociais, trago-te todos os dias as histórias mais inspiradoras que encontro na web... Podes ajudar a melhorar este artigo, enviando um email para [email protected]

Mundo

Casal adotou 7 irmãos que viviam num orfanato, mesmo a tempo do Natal

Publicado

em

Depois de entrarem e saírem de um orfanato várias vezes, sete irmãos no Arkansas, nos Estados Unidos, têm finalmente um lar para sempre, e uma família para passar o Natal.

As sete crianças são as mais recentes adições à família de Terri e Michael Hawthorn, que agora inclui agora 13 crianças.

Os Hawthorns cuidaram de várias crianças desde que decidiram se tornar-se pais adotivos há vários anos atrás, revelou a KTHV.

“As nossas primeiras palavras foram: ‘OK, faremos isso por alguns anos, mas não adotaremos'”, disse Terri Hawthorn.

Mas Hawthorn não “cumpriu” esse compromisso, depois de conhecer dois irmãos.

Neste mês de dezembro, o casal adotou os sete filhos, que estavam para adoção há quase três anos.

“É bom ter uma família para acordar todas as manhãs”, disse Kyndal Hawthorn.

“Quando cheguei aqui, eu estava tipo, oh meu Deus, nós temos as nossas próprias camas”, disse Layna Hawthorn.

Antes de conhecerem os Hawthorns, as crianças às vezes tinham que ir para uma casa adotiva, sem uma cama para dormir ou comida para comer, de acordo com KTHV.

“É tão bom saber que temos uma família agora e não precisamos ir para nenhum outro lugar”, disse Dawson Hawthorn, o irmão mais velho.

Terri Hawthorn chama isso de bênção.

“Eles são uma bênção”, disse ela. “Todos os dias essas crianças acordam e estão a rir, felizes, e vemos isso nos sorrisos nos seus rostos, é o que faz valer a pena.”

“Este foi o melhor Natal que poderia ter, sabendo que tenho uma mãe e meu pai”, disse Kyndal.

Michael Hawthorn disse à WFLA 8 que ele e sua esposa adotaram dois bebés em abril, depois os sete em dezembro. Os Hawthorns também têm quatro filhos biológicos.

Michael Hawthorn postou este comovente comentário sobre seus sete novos membros da família no Facebook.

“Hoje é oficial, estes 7 irmãos mudaram o seu sobrenome para Hawthorn. Muitas orações por essas crianças nos últimos dois anos e meio. Obrigado Pastor Steve por ter vindo, e um enorme obrigado a Alan Clark…”

A maioria das pessoas da minha idade só se preocupa com a reforma (isso seria bom), mas, acima disso, optámos por investir na vida destas crianças. Eu e Terri passámos de 4 filhos para 13…”

As crianças fizeram um vídeo adorável sobre a sua nova família.

Veja aqui:

Continuar a ler

TRENDING