Segue-nos
PUBLICIDADE

Famosos

Tânia Ribas de Oliveira em lágrimas com história de convidada: “Se pudesse abraçava-a…”

PUBLICIDADE

Paula Beliz perdeu a mãe, o marido e os três filhos num acidente de viação, do qual foi a única sobrevivente. Tânia Ribas de Oliveira não conteve a emoção em direto…

Publicado

em

RTP1/Site

Esta segunda-feira, 19 de outubro, foi para o ar mais um “A Nossa Tarde”, conduzido por Tânia Ribas de Oliveira, na RTP1

PUBLICIDADE

Uma das convidadas da emissão foi Paula Beliz, que marcou presença para partilhar a sua história de vida. Paula perdeu, há 22 anos, num acidente de viação, a mãe, o marido e os três filhos, tendo sido a única sobrevivente.

Durante a conversa, onde Paula relatou a sua história, a dada altura, a convidada referiu que foi desafiada por um psicólogo a fazer terapia das constelações familiares e foi isso que a ajudou a continuar a viver:

“Eu decidi que ia viver por amor (…)”, disse. “Muitas mulheres, nos campos de concentração nazi viram filhos sofrer, eu não vi os meus sofrer, eles morreram, foram para o céu, sem sofrimento e lá estarão protegidos, eu liguei-me a outras dores de pessoas que perderam filhos e família e aí não me senti única e pensei que também ia conseguir”.

Tânia Ribas de Oliveira ficou lavada em lágrimas enquanto ouvia o testemunho de Paula Beliz e no final referiu: “Minha querida, se eu pudesse eu dava-lhe um abraço tão grande (…) tenho um respeito e uma admiração por si absolutamente eternas e eu espero que os seus filhos e a sua mãe e o seu marido estejam a sorrir”.

PUBLICIDADE

Veja aqui a entrevista ao minuto 10:56.

No final do dia, na sua conta de Instagram, Tânia Ribas de Oliveira decidiu ainda fazer uma partilha dedicada à convidada.

PUBLICIDADE

“Hoje, a Paula sentou-se na sala e eu só vi o sol num dia cinzento de chuva. Não sei fazer uma entrevista a alguém que é maior do que qualquer pergunta. Resumo-me ao meu espaço, dou espaço e o meu silêncio é um profundo e doído respeito”, começou por escrever.

A apresentadora contou um pouco do que foi a entrevista a Paula Beliz, referindo alguns dos ensinamentos que reteve da mesma:

“Foi encontrando a paz em dias de sol, perto da natureza e homenageia a família todos os dias… vivendo. E eu em silêncio. As lágrimas nos meus olhos a caírem no meu colo. E a Paula, brilhante como o sol, desfiava serenamente a sua vida … “as coisas não são como queremos, são como são.” A Paula ficará para sempre marcada em mim. E, tal como lhe disse  no fim, espero que um dia reencontre a sua família… da qual, efectivamente, nunca se separou”

E terminou: “Há momentos na vida em que tudo o que nos resta é o silêncio. E um profundo respeito por quem encontra Luz onde a sombra não deixa ver mais nada. “O Amor é o único caminho, Tânia.” E o Amor é maior do que a morte. Há pessoas que chegam e, sem saberem, criam uma onda de Amor sem fim. Assim é a Paula. ❤️”.

View this post on Instagram

Hoje, a Paula sentou-se na sala e eu só vi o sol num dia cinzento de chuva. Não sei fazer uma entrevista a alguém que é maior do que qualquer pergunta. Resumo-me ao meu espaço, dou espaço e o meu silêncio é um profundo e doído respeito. A Paula, há 22 anos, perdeu a mãe. Perdeu o marido. Perdeu os três filhos de 8, 6 e 3 anos. Perdeu-os a todos ao mesmo tempo e para sempre num acidente de viação do qual foi a única sobrevivente. Contou-me tudo em palavras serenas, exaltava-lhe do coração e da alma um profundo amor. Não morre de saudades, vive de saudade. É a memória quente que a ilumina, é o que cada um deles representa em si que a move. Teatralizou de início uma alegria que não sentia porque os filhos poderiam estar a vê-la das nuvens e, como crianças que eram, não gostariam de ver a mãe triste. Foi encontrando a paz em dias de sol, perto da natureza e homenageia a família todos os dias… vivendo. E eu em silêncio. As lágrimas nos meus olhos a caírem no meu colo. E a Paula, brilhante como o sol, desfiava serenamente a sua vida … “as coisas não são como queremos, são como são.” A Paula ficará para sempre marcada em mim. E, tal como lhe disse no fim, espero que um dia reencontre a sua família… da qual, efectivamente, nunca se separou. Há momentos na vida em que tudo o que nos resta é o silêncio. E um profundo respeito por quem encontra Luz onde a sombra não deixa ver mais nada. “O Amor é o único caminho, Tânia.” E o Amor é maior do que a morte. Há pessoas que chegam e, sem saberem, criam uma onda de Amor sem fim. Assim é a Paula. ❤️

A post shared by Tânia Ribas de Oliveira (@taniaribas) on

PUBLICIDADE

Adoro rádio, televisão, música e sobretudo notícias... Todos os dias trago-te os destaques da vida dos famosos...

COMENTÁRIOS

TRENDING