Segue-nos

Famosos

Simone de Oliveira recorda passado de violência doméstica: “Batia-me…dizia-me que eu não servia para nada”

Simone de Oliveira partilhou ainda a reação da sua mãe ao descobrir: “[Caiu] para o chão…”

Publicado

em

TVI/Site

No passado sábado, 22 de junho, Simone de Oliveira foi a convidada do programa “Conta-me Como És”, conduzido por Fátima Lopes, na TVI.

Assim, e numa conversa intimista e cheia de emoção, a cantora e atriz acabou por falar de uma das fases menos boas da sua vida.

Foi depois de recordar o primeiro casamento, quando tinha apenas 19 anos, que Simone de Oliveira lembrou os episódios de violência doméstica que viveu durante esse período:

“Batia-me, dizia-me que eu era maluca, dizia-me que eu não servia para nada, nem para ser mulher da má vida”, começou por dizer, exemplificando:

“Eu gostava de ouvir música, abria o rádio mas duas ou três horas antes de ele chegar, fechava-o. Ele passava a mão por cima do rádio e percebia que estava morno e pumba”, contou.

Depois de três meses de sofrimento, Simone de Oliveira partilhou que decidiu fugir:

“(…) É engraçado que a única coisa de que eu me lembro, há um buraco negro muito grande, é de ter uma moeda de 25 tostões numa mão, que era o bilhete da Amadora para Lisboa… Não tinha mais nada. Lembro-me perfeitamente de comprar o bilhete… e já não me lembro de entrar no comboio. E já não me lembro de ter chegado a casa dos meus pais, que era em Alvalade. Como é que eu fui lá parar? Não sei”, disse.

Sobre a reação dos progenitores ao saberem da revelação, a cantora afirmou:

“Só me lembro de estar no quarto dos meus pais… e de me sentar numa cadeira e de contar a história toda. E a minha mãe fazer assim… pumba, [caiu] para o chão”, admitindo depois que a progenitora ficou gravemente doente.

A artista, de 81 anos, recordou depois que, dias mais tarde, surgiu um convite por parte do agressor que a deixou bastante revoltada:

“Quando esse senhor me telefonou três dias depois: «Queres ir ao cinema?», eu disse-lhe: «Ouve uma coisa que te vou dizer: se a minha mãe morrer agora por isto, eu mato-te!»… E ele afastou-se…”, contou.

No final, e para rematar o assunto, Simone de Oliveira confessou que no dia do casamento ainda pensou em dizer que «não»:

“Eu olhava para trás, via a minha mãe, o meu pai… o meu padrinho mas eu subi a pensar assim: «eu chego lá acima e vou dizer que não»”, disse, adiantando que no registo se recusou também a pôr o apelido do marido.

Vê o momento aqui, ao minuto 04:45.

Tenho 21 anos e sou formada em Comunicação. Apaixonada pelos media, acabei o curso e comecei a escrever aqui logo de seguida... Adoro rádio, televisão, música e sobretudo notícias... Todos os dias trago-te os destaques da vida dos famosos...

TRENDING