Segue-nos
PUBLICIDADE

Famosos

Sandra Felgueiras critica Gonçalo Amaral no caso ‘Maddie’: “Só podemos falar o que podemos provar…”

PUBLICIDADE

Sandra Felgueiras fala sobre o caso ‘Maddie McCann’ e este novo suspeito alemão. A jornalista critica o trabalho com “falhas irreparáveis” de Gonçalo Amaral…

Publicado

em

Por

Sandra Felgueiras/Facebook

O rapto de Maddie McCann ocorreu há 13 anos e até ao dia de hoje ninguém sabe ao certo o que aconteceu, o autor do crime é desconhecido. Contudo, nas últimas semanas foi apontado um novo suspeito ao desaparecimento da criança inglesa que passava férias com os pais no Algarve, na Praia da Luz.

PUBLICIDADE

Christian Brückner, de nacionalidade alemã, é o nome do novo suspeito. Gonçalo Amaral, antigo chefe da policia judiciária na altura do desaparecimento de Maddie, defende que este suspeito não passa de um ‘bode expiatório’.

Cansada das teorias e afirmações sem certezas de Gonçalo Amaral, Sandra Felgueiras manifestou-se sobre o caso este sábado, 04 de Julho, através do Facebook.

“A todos os que vibram com o caso Madeleine e se preocupam com os desaparecimentos misteriosos de crianças em Portugal, e não menos importantes, como os de Rui Pedro e, quem sabe, o de Joana: Investigar a verdade implica humildade. Abertura de espírito. Reconhecimento de falhas”, começou por escrever.

Sobre a investigação da policia judiciária feita na altura do desaparecimento da criança, a jornalista critica Gonçalo Amaral que, posteriormente, foi afastado do caso: “A tese de Gonçalo Amaral sobre o caso Madeleine tinha falhas irreparáveis, e por isso, só por isso, não foi sequer transformada em acusação pública. Mas depois veio a pressão pública. Os livros. As teses. Vender a história. E a vontade de crucificar os pais impeliu muita gente a querer acreditar numa tese mesmo quando as incongruências eram demasiadas e condenavam o caso ao absoluto fracasso”

PUBLICIDADE

“Investigo o caso Madeleleine há 13 anos. Sem preconceitos. Nem teses. Entrevistei os McCann várias vezes. Fui eu que lhes perguntei como justificavam o cheiro a cadáver no apartamento e no carro e o sangue detetado pelos cães ingleses? Sim, fui eu. Como é público. Li todos os ficheiros. Todos os relatos. E durante todos estes anos ouvi os maiores disparates sobre o que vi acontecer com os meus próprios olhos. Vi, incrédula, como é fácil proliferarem mentiras apenas em ordem de justificar a tese de um inspetor afastado por ter dito em público o que nunca conseguiu provar na justiça. Mas em público, só podemos falar o que podemos provar. E isto é válido para todos”, acrescentou.

“Esqueçam os treinadores de bancada. Os bitaites de quem nada sabe. Leiam. Vejam. Mas de mente aberta. Nunca vi um suspeito como Bruckner: com tantos indícios que o colocassem no lugar do crime à hora do crime com um passado que nos permite adivinhar, mas não provar, o que pode ter feito. Não é o suspeito perfeito. É um pedófilo e andou 22 anos entre nós. Nos mesmos anos em que desapareceram Rui Pedro, Joana e Madeleine. Bruckner não é um pedófilo porque há queixas. É um pedófilo condenado e extraditado para cumprir pena na Alemanha. Terá cometido este crime? Estará associado a outros? Não sabemos. Ainda não sabemos. Mas é nossa obrigação descobrir”, continuou a jornalista da RTP que, acompanha o caso de Maddie desde o inicio.

“E agora, meus caros, já não se trata apenas de Madeleine. Trata-se da segurança dos nossos filhos. E de sabermos quem anda no meio de nós! Esta nova pista pode ajudar-nos a descobrir muitas verdades inconvenientes que andam escondidas há décadas no nosso aparente Portugal seguro. Daí o interesse público desta investigação. A descoberta da verdade nunca nos deve cansar. Deve desassossegar-nos. E levar-nos a um conhecimento mais profundo (…) A polícia alemã quer apenas fechar mais um caso. Eu quero saber mais sobre o meu país (…) em mim, mora apenas um objetivo: descobrir a verdade. Seja ela qual for”, concluiu.

PUBLICIDADE

Recomendamos

COMENTÁRIOS

TRENDING