Segue-nos
PUBLICIDADE

Famosos

Rita Pereira ‘quebra silêncio’ após polémica e atira: “Fui das primeiras a falar de racismo em televisão…”

Rita Pereira recorreu às redes sociais para deixar um desabafo após mudar de visual e ser acusada de “apropriação cultural”..

Publicado

em

Por

Rita Pereira ‘quebra silêncio’ após polémica e atira: “Fui das primeiras a falar de racismo em televisão…”
Reprodução | Redes Sociais

Rita Pereira despediu-se das gravações da novela ‘Quero é Viver’ e optou por mudar de visual. Através das redes sociais, a atriz partilhou o resultado final e mostrou-se com o cabelo cheio de ‘tranças’. Apesar de ter colhido vários elogios, também foi muito criticada e acusada de “apropriação cultural”.

Os internautas, especialmente no Twitter, acusaram Rita Pereira de ‘apropriação cultural’ depois de ter mudado de visual e optado por deixar o cabelo cheio de “tranças”: “Farta dessa Rita Pereira. Isso chama-se apropriação cultural caramba!”“Farta de não ter ninguém que lhe diga que ela só parece palhaça com tanta apropriação” ou “Alguém pare a Rita Pereira por favor”, foram algumas das reações.

PUBLICIDADE

Nesta terça-feira, dia 19 de julho, Rita Pereira recorreu à conta pessoal para falar pela primeira vez sobre a polémica que se instalou com a sua mudança de visual:  “Ponderei escrever este texto porque acho sinceramente que, diga o que disser, não vai ser ouvido, comentado ou tido em conta por quem me criticou ou por quem simplesmente escreveu títulos polémicos procurando cliques. E também porque não é um assunto que se consiga resumir num post de Instagram”, começou por escrever.

A atriz confessou que este é um “assunto realmente importante” para si e um tema do qual está bem informada: “Desde que me conheço como gente que sou contra a desigualdade, a segregação racial, a discriminação social, o racismo. Desde que faço televisão que me manifesto contra o mesmo publicamente. São 18 anos a “chegar-me à frente” no que diz respeito ao racismo. Fui das primeiras pessoas (não Afro Descendente) a falar de racismo em televisão, sem medo do que isso implicaria. Apenas com o propósito de levar informação às pessoas certas. Em Portugal o racismo é assunto tabu. Poucos querem discutir, poucos querem opinar, muitos querem ignorar”, afirmou.

No seguimento deste assunto, a atriz revelou um episódio de discriminação vivido por uma amiga: “Não sou eu, uma branca privilegiada que devo falar sobre isto, mas tendo consciência plena deste privilégio e da influência que tenho no meu país, não posso ficar calada deixando que me apontem o dedo como “desinformada”. Há uns meses, em conversa com uma amiga afro descendente, ela contou-me que foi despedida do seu trabalho por ter aparecido de tranças. Sim, por usar tranças. Isto ainda acontece em Portugal. E porquê?! Porque o cabelo de um africano, as tranças, a afro, é visto (por estes racistas) como sujo, impróprio, pouco profissional, não é digno. Em muitos lugares do país os cabelos afro não são aceites”, explicou.

PUBLICIDADE

“As mulheres de etnia africana são obrigadas, sim obrigadas, a esticar o cabelo ou usar laces/ perucas para que possam trabalhar em determinadas empresas. Em muitas escolas as crianças afro descendentes são “aconselhadas” a não usar tranças ou afro. Crianças que já crescem sem liberdade de serem como quiserem. Ora, se isto me causa revolta imaginem às pessoas que sentem isto na pele há centenas de anos. E depois vem uma branca privilegiada com tranças e é sinónimo de exótica, moderna, linda, tudo de positivo, algo pelo qual os afro descendentes lutam há anos, equidade étnica, cultural e capilar”, informou ainda.

Foi neste momento que Rita Pereira explicou a sua mudança de visual:  “E agora a questão: se sei disto tudo porque fiz na mesma as twists?! Porque, após questionar o meu marido, amigos, familiares e activistas afro descendentes, cheguei à conclusão que, devido à minha história de vida em relação à cultura africana, o facto de respeitar, admirar e honrar a cultura, sendo activista em relação ao racismo, faz com que não seja uma apropriação cultural mas sim admiração cultural”, explicou.

Já no final da publicação, Rita Pereira explicou o verdadeiro significado de “apropriação cultural”: “Apropriação cultural é, entre outras coisas, usar algo da cultura de um povo sem o valorizar. Acham mesmo que eu, perante toda a minha história, estou a desrespeitar, desvalorizar ou apoderar-me da cultura africana?! O facto de eu usar tranças ou twists é no meu ver uma valorização, uma admiração, respeito e acima de tudo faz parte da globalização. Espero que esta polémica tenha ajudado pelo menos a trazer a praça pública esta questão da cultura capilar para que seja aceite em qualquer lugar, qualquer empresa, qualquer comunidade. Porque se 1 terço dos meus seguidores tiver reflectido sobre isto, já valeu a pena ser protagonista deste ataque e polémica”, finalizou.

Ora veja:

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Rita Pereira (@hyndia)

 

TRENDING