Segue-nos

Actualidade

Quatro países de leste vão boicotar minicimeira europeia sobre migrações no domingo

PUBLICIDADE

Os países do Grupo de Visegrado – Hungria, Eslováquia, Polónia e República Checa — anunciaram que não vão participar na minicimeira europeia sobre migrações que se realiza em Bruxelas.

Publicado

em

Por

Quatro países de leste vão boicotar minicimeira europeia sobre migrações no domingo

Budapeste, 21 jun (Lusa) — Os países do Grupo de Visegrado – Hungria, Eslováquia, Polónia e República Checa — anunciaram hoje que não vão participar na minicimeira europeia sobre migrações que se realiza no domingo em Bruxelas.

PUBLICIDADE

“A minicimeira de domingo é inaceitável, não vamos participar, querem requentar uma antiga proposta que já recusámos”, afirmou o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, após uma reunião com os homólogos húngaro, eslovaco e checo.

Morawiecki criticou ainda que o encontro tenha sido convocado pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, porque é o presidente do Conselho Europeu, Donald “Tusk o responsável pela organização das cimeiras”.

“Não participaremos porque isso é contrário aos costumes da União Europeia”, acrescentou.

“Os países membros do Grupo de Visegrado consideram que o diálogo sobre migrações é da competência do Conselho e não da Comissão”, afirmou também o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

PUBLICIDADE

Os dirigentes dos quatro países reuniram-se hoje em Budapeste com o chanceler da Áustria, Sebastien Kurz, e, segundo Orban, acordaram reforçar a defesa das fronteiras externas da UE.

Juncker convidou na quarta-feira nove países da União Europeia para uma “reunião de trabalho informal”, no domingo, sobre migrações, um dos temas centrais da cimeira europeia de 28 e 29 de junho.

A Comissão anunciou a participação dos líderes da Alemanha, França, Espanha, Grécia, Itália, Áustria, Bulgária, Bélgica e Holanda, mas frisou que a reunião é aberta a participação de todos os Estados-membros que manifestem interesse.

PUBLICIDADE

A reunião é vista como uma manifestação de apoio à chanceler alemã, Angela Merkel, pressionada pelo aliado de coligação CSU a obter dos parceiros europeus um endurecimento das regras em matéria migratória.

Segundo um projeto de documento de trabalho citado pela agência France-Presse, a reunião deverá terminar com um compromisso para acelerar a transferência dos requerentes de asilo para o país pelo qual entraram em território europeu e a criação de um “mecanismo de solidariedade eficaz” com uma repartição obrigatória dos refugiados pelos países membros, uma proposta que os países de Visegrado recusam categoricamente.

MDR // EL

Lusa/Fim

Clica para comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

COMENTÁRIOS

TRENDING

v