Segue-nos

Actualidade

Marcelo afirma que “a extrema-esquerda não existe mais em Portugal”

O Presidente da República defendeu que “a extrema-esquerda não existe mais em Portugal”, durante uma conversa com alunos universitários, em Madrid, em que falou sobre o “equilíbrio difícil” da atual governação portuguesa.

Publicado

em

Madrid, 16 abr (Lusa) — O Presidente da República defendeu hoje que “a extrema-esquerda não existe mais em Portugal”, durante uma conversa com alunos universitários, em Madrid, em que falou sobre o “equilíbrio difícil” da atual governação portuguesa.

Marcelo Rebelo de Sousa respondia a uma questão sobre migrações e refugiados, numa conferência sobre “Portugal e Espanha: Europa e América Latina”, na Universidade Carlos III, na capital de Espanha, onde se encontra em visita de Estado.

Na resposta, em castelhano, o chefe de Estado reiterou a mensagem de que no espectro político português há “uma unanimidade absoluta” quanto à abertura aos refugiados e, a este propósito, afirmou que Portugal não tem extrema-direita.

“Mesmo a extrema-esquerda não existe mais em Portugal. Há a esquerda mais ambiciosa nas suas posições”, acrescentou o Presidente da República, sem se alongar mais sobre este tema.

Estavam presentes na sala a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, e os deputados que o acompanham nesta visita ao Reino de Espanha: Carla Barros, do PSD, Luís Testa, do PS, António Carlos Monteiro, do CDS-PP e Rita Rato, do PCP — o Bloco de Esquerda optou por não se fazer representar.

Apesar de no domingo à noite, à chegada a Madrid, Marcelo Rebelo de Sousa ter declarado que não iria “falar de questões portuguesas” em Espanha, hoje comentou o atual quadro político nacional, nesta conversa com estudantes, e elogiou a procura de um “equilíbrio difícil” entre consolidação orçamental e preocupações sociais.

Segundo o Presidente da República, “Portugal tenta, busca apresentar uma via de equilíbrio — até hoje, com bons resultados”, o que “é muito bom para Portugal, é muito bom para os portugueses”.

Por outro lado, em resposta a uma pergunta sobre a União Europeia, voltou a apresentar-se como “um otimista realista” e apelidou o primeiro-ministro, António Costa, de “um radical otimista”.

O primeiro-ministro português “é sempre mais otimista, todos os dias diz: que maravilha, vai ser um dia sem nuvens, maravilhoso”, descreveu. “Eu digo: depende”.

“No entanto, em relação à Europa, temos de ser exigentes, mas otimistas, e voluntaristas”, defendeu.

IEL // JPS

Lusa/Fim

Mundo

Bebé que nasceu com “madeixa” branca faz sucesso nas redes sociais

Publicado

em

Uma menina que nasceu com uma madeixa branca no cabelo está a fazer furor nas redes sociais no Brasil. A mãe da criança, a publicitária Talyta Youssef, de 40 anos, revelou que a Maternidade Sofia Feldman, em Tupi, Belo Horizonte, parou para conhecer a “menina da mechinha”.

Segundo ela, foi até difícil sair do hospital devido à muita curiosidade que despertou

“A primeira selfie dela foi tirada com minutos de vida. No dia em que recebi alta, todo mundo pedia para tirar fotos com ela…”

O estrelato de Maya saiu da maternidade e está a conquistar o mundo depois de um ensaio fotográfico feito por Paula Beltrão, nove dias depois do nascimento, como conta o R7.

A fotógrafa, que ficou encantada com a marca da menina, ofereceu as fotos ao se deparar com “tamanha beleza”.

“Foi muito especial fazer este trabalho. A mecha é um charme e a Maya é extremamente boazinha. Eu pensei em toda cenografia para destacar os fios reluzentes do cabelo dela…”

Além da decoração marcada por tons brancos e prateados, um elemento natural completou as cenas: a mecha dos cabelos da própria mãe da bebé. Assim como a filha, Talyta Youssef tem a mesma marca desde que nasceu.

Trata-se de uma alteração na produção de melanina, conhecida como piebaldismo. A desordem genética é hereditária, e já está na família, de origem síria, há várias gerações. Além das duas, o avó, a mãe dela, uma tia e dois primos têm a mesma condição.

Maya é a primeira filha do casal, e nasceu de uma gravidez não planeada. Talyta e o marido moravam na Áustrália há quatro anos quando souberam da gestação, em fevereiro deste ano. Por questões de saúde, eles voltaram para o Brasil e, novamente, a filha apanhou o casal de surpresa.”

“Eu não esperava toda esta atenção… Estamos achando engraçado…”

 

Continuar a ler
Publicidade

ÚLTIMAS

TRENDING