Segue-nos

Famosos

José Carlos Malato revela: “A minha mãe proibiu-se de privar comigo porque sou gay…”

“Perdi o meu pai há 5 meses, em circuntâncias trágicas. Como se não bastasse, temo ter perdido também a minha mãe…”

Publicado

em

José Carlos Malato/Instagram

Esta quarta-feira, 10 de outubro, José Carlos Malato recorreu às suas redes sociais para falar da relação com a mãe.

Na sua página de Instagram, o apresentador deixou um texto em jeito de desabafo onde começou por confessar:

“Perdi o meu pai há 5 meses, em circunstâncias trágicas. Como se não bastasse, temo ter perdido também a minha mãe, neste tempo que passou.”

Mais à frente, e no mesmo texto, Malato explicou que o ‘afastamento’ da progenitora se deveu a partir do momento em que deixou de estar associada às Testemunhas de Jeová, e também devido à sua orientação sexual:

“Sou desassociado há mais de 30 anos das Testemunhas de Jeová e, por essa razão, a minha mãe foi proibida/proibiu-se (?) de privar comigo e com a minha irmã, vir a nossa casa, tirar fotografias, andar conosco na rua. Porque somos desassociados desta organização fundamentalista e radical e, eu, porque sou gay.”

No final, o rosto da RTP1 terminou com um ‘pedido’ aos fãs:

“Na qualidade de orfão de pai e mãe, estou disponível para adopção! Quem precisar do carinho de um filho amoroso, exemplar, com as minhas características. candidate-se! Como diz Tom Veloso «todo o homem, precisa de uma mãe!»”.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Perdi o meu pai há 5 meses, em circuntâncias trágicas. Como se não bastasse, temo ter perdido também a minha mãe, neste tempo que passou. Sou desassociado há mais de 30 anos das Testemunhas de Jeová e, por essa razão, a minha mãe foi proibida/proibiu-se (?) de privar comigo e com a minha irmã, vir a nossa casa, tirar fotografias, andar conosco na rua. Porque somos desassociados desta organização fundamentalista e radical e, eu, porque sou gay. Na qualidade de orfão de pai e mãe, estou disponível para adopção! Quem precisar do carinho de um filho amoroso, exemplar, com as minhas características. candidate-se! Como diz Tom Veloso ‘todo o homem, precisa de uma mãe!’ [email protected] @jw.org.pt www.jw.org #josecarlosmalato

Uma publicação partilhada por josecarlosmalato (@josecarlosmalato) a

De recordar que foi em maio deste ano que José Carlos Malato assumiu a sua sexualidade.

Na altura, o apresentador publicou na sua página de Instagram uma imagem onde se mostra a beijar o então companheiro, João Caçador.

O apresentador explicou o motivo pelo qual silenciou o assunto durante alguns anos:

“Na minha geração, há coisas que a gente não faz por respeito aos pais. Por respeito ao pai, que é diferente da mãe. Nas gerações mais recentes, isso já não faz sentido. Porque os pais são diferentes, têm outra mentalidade, e os filhos têm a urgência urgente de ser felizes. Foram muitos anos”, escreveu.

Malato acabou por confessar que, por respeito ao pai, não falou da sua homossexualidade e termina dizendo:

“Onde estiver, compreenderá, finalmente, todas as dimensões da palavra amor.”

Foi também no mesmo mês que Malato perdeu o pai, vítima de cancro, uma batalha que lutava há mais de oito meses.

Na altura, José Carlos Malato deu a notícia aos seus seguidores através da sua página de Instagram:

“Hoje, morreu-me o meu pai. Boa viagem, querido. Obrigado a todas os que continuam a pensar em nós”.

Tenho 21 anos e sou formada em Comunicação. Apaixonada pelos media, acabei o curso e comecei a escrever aqui logo de seguida... Adoro rádio, televisão, música e sobretudo notícias... Todos os dias trago-te os destaques da vida dos famosos...

Famosos

Sofia Aparício recorda episódio de assédio sexual: “Agarrou-me pela cintura e puxou-me para ele…”

A atriz e modelo deu o seu testemunho e deixou uma mensagem importante a todas as mulheres…

Publicado

em

TVI/Site

Na passada sexta-feira, 15 de Fevereiro, Sofia Aparício marcou presença no Jornal das 8, da TVI, para falar sobre assédio sexual.

A atriz foi convidada por José Eduardo Moniz, juntamente com mais duas mulheres, para dar o seu testemunho enquanto vítima.

Depois de admitir terem sido “várias” as situações, a também modelo acrescentou depois:

Eu lembro-me de sentir sempre muita raiva e nojo. Nunca me cheguei a sentir-me humilhada, porque a verdade é que eu acabei sempre por resolver as situações naquela altura”, confessou.

Contando depois com mais pormenor como eram as situações, Sofia afirmou:

“Uma vez, uma pessoa que, hierarquicamente, estaria acima de mim, um diretor do projeto onde eu estava, agarrou-me pela cintura e puxou-me para ele. E como eu não gostava dele e como nunca lhe tinha dado azo ou abertura a isso…”, exemplificando depois: “Ou seja, não é porque eu estou assim vestida que eu estou a pedi-las…”.

O jornalista interpelou-a depois acerca de muitos homens acharem que a roupa, eventualmente, pode ter como objetivo gerar determinados tipos de apetites:

“Pois, não, não, não. Eu visto-me assim, porque eu tenho muito orgulho em ser mulher e gosto muito de me sentir feminina”, reforçou a atriz.

“E a liberdade dos outros acaba exatamente onde a minha começa. E a minha liberdade começa no meu corpo. E eu não admito que ninguém me toque sem a minha autorização. Mas isto acontecia-me mesmo em criança, no metro, em hora de ponta”, lembrou depois, acrescentando: “O assédio sexual, pelo menos na minha geração. Acho que a sociedade está a evoluir, de maneira que as pessoas têm mais respeito umas pelas outras e eu acho que a minha sobrinha já não passou por isso, felizmente. Mas eu lembro-me que deixei de andar de transportes públicos por causa disso, porque era apalpada, não sei dizer de outra maneira…

Confrontada depois com a pergunta: “Como é que resolvia essas situações?”, Sofia Aparício contou:

“Na realidade nunca pensei queixar-me, porque eu resolvia as situações. Duas vezes, dei um estalo, outra vez dei um empurrão e fechei a porta…”.

“Se eu não dou abertura àquela pessoa, se eu não dou confiança, eu não admito, só porque essa pessoa é meu superior hierárquico. Onde eu trabalho não há bem superiores hierárquicos: há o chefes de produção, há os diretores de projeto, mas, pronto, alguém que me poderia contratar e que várias vezes, pelo menos duas vezes, deixei de ser contratada por causa disso. Fui prejudicada profissionalmente, sim…“, admitiu.

A atriz terminou depois: “(…) Eu via, na altura, que aquilo que aquelas pessoas faziam comigo faziam também com outras pessoas que alinhavam. Eu não sei de histórias de pessoas que tenham alinhado obrigadas”.

Vê o video na íntegra aqui.

Continuar a ler

TRENDING