Segue-nos

Famosos

Da janela de casa, Cláudio Ramos faz reflexão: “Vejo a Esperança de amanhã…”

Cláudio Ramos mostrou-se, mais uma vez, positivo face à pandemia do novo coronavírus…

Publicado

em

Cláudio Ramos/Instagram

Cláudio Ramos está, como muitos portugueses, em casa, de quarentena, devido à pandemia do novo coronavírus.

O apresentador da TVI tem aproveitado para treinar, preparar a estreia do ‘Big Brother 2020’, que estava marcada para março mas foi adiada, mas tem também aproveitado para ler e escrever.

Hoje, através da sua página de Instagram, Cláudio Ramos decidiu refletir sobre tudo aquilo que “vê” da sua janela.

Num sentido mais literal, o apresentador começou por referir não ouve nem vê nada daquilo a que esteve toda a sua vida habituado a ver, no campo:

“Não vejo o verde que queria, não escuto os sons que gostava, não respiro o ar que respiro no campo… não me estou a queixar. Era o que faltava!”, escreveu.

De seguida, referiu que, tal como havia dito, vê “a Esperança de amanhã” e sobretudo vê a coragem daqueles que têm de sair para trabalhar, ainda que com a pandemia do novo coronavírus, instalada na sociedade:

“Vejo a coragem de quem não pode estar hoje à janela para estar a trabalhar fora de casa porque fizeram um juramento que cumprem honradamente para o bem de todos nós. Vejo os que não juraram, mas precisam ir para que o País não fique sem o que precisa de mínimo e básico e isso só se consegue com profissionais que estão onde precisam estar à hora que sempre estiveram”, partilhou.

No final do texto, sempre com muita esperança que toda esta situação se resolva, o novo rosto da TVI acrescentou:

“Escuto poucas vozes e se fechar os olhos visualizo a normalidade a chegar mas diferente do que era a nossa normalidade… O que vejo da minha Janela é isto, misturado com as saudades da visão que sempre tive da janela da minha vida. E vocês? O que vêem da vossa janela?”, desafiou os seguidores.

View this post on Instagram

…. A minha vida toda da janela vi verde, ouvi pássaros, vi gente, senti vida. Crescer no campo dá a noção que a janela é uma extensão do resto. Na cidade não é assim. Na cidade a janela é uma janela e o resto é o resto. Não vejo o verde que queria, não escuto os sons que gostava, não respiro o ar que respiro no campo… não me estou a queixar. Era o que faltava! Mas desafiaram-me a contar o que via estes dias da minha janela. Já disse o outro dia, da minha janela vejo a Esperança de amanhã. Vejo a coragem de quem não pode estar hoje à janela para estar a trabalhar fora de casa porque fizeram um juramento que cumprem honradamente para o bem de todos nós. Vejo os que não juraram, mas precisam ir para que o País não fique sem o que precisa de mínimo e básico e isso só se consegue com profissionais que estão onde precisam estar à hora que sempre estiveram. Escuto poucas vozes e se fechar os olhos visualizo a normalidade a chegar mas diferente do que era a nossa normalidade. Na minha janela vejo o sol. Depois a sombra. Sinto o sol. Depois o vento. Vejo telhados e outras janelas com histórias lá dentro… O que vejo da minha Janela é isto, misturado com as saudades da visão que sempre tive da janela da minha vida. E vocês? O que vêem da vossa janela? . #ficoemcasa #vaificartudobem #euclaudio #claudioramos

A post shared by Claudio Ramos (@claudio_ramos) on

.

Tenho 21 anos e sou formada em Comunicação. Apaixonada pelos media, acabei o curso e comecei a escrever aqui logo de seguida... Adoro rádio, televisão, música e sobretudo notícias... Todos os dias trago-te os destaques da vida dos famosos...

Recomendamos

COMENTÁRIOS

TRENDING