Segue-nos

Actualidade

Crescimento económico da China estável nos 6,8% no primeiro trimestre do ano

O crescimento económico manteve-se estável no primeiro trimestre do ano, impulsionado pelo investimento e comércio eletrónico, numa altura de tensões comerciais com Washington

Publicado

em

Pequim, 17 abr (Lusa) – O crescimento económico da China manteve-se estável no primeiro trimestre do ano, impulsionado pelo investimento e comércio eletrónico, numa altura em que evoluem as tensões comerciais com Washington, foi hoje divulgado.

A segunda maior economia do mundo cresceu 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado, tal como no trimestre terminado em dezembro e em ligeira queda relativamente à expansão de 6,9% em igual período de 2017, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto de Estatística chinês.

O Produto Interno Bruto (PIB) alcançou os 19,87 mil milhões de yuans (2,55 mil milhões de euros), com um crescimento de 3,2% no setor primário, de 6,3% no secundário ou industrial e de 7,5% no terciário ou de serviços, em relação ao ano passado.

“A economia nacional manteve o momento de desenvolvimento estável e sólido, o comportamento económico melhorou e a economia mostrou um bom começo” de ano, afirmou Xing Zhihong, porta-voz do Instituto de Estatística, em conferência de imprensa, em Pequim.

O volume total de vendas ao consumidor atingiu os nove mil milhões de yuans (1,6 mil milhões de euros), um aumento de 9,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Quanto ao comércio externo, a China conseguiu reduzir o excedente em 21,8% até março, depois de registar um crescimento anual de 11,7% em importações e de 7,4% em exportações.

Xing salientou que “a estrutura do comércio está melhor”, bem como a participação da China no comércio global, impulsionada sobretudo pelo comércio na zona central e ocidental do país.

De acordo com o porta-voz, os preços mantiveram-se estáveis, com um crescimento de 2,1% no índice de preços ao consumidor (IPC) em relação ao período homólogo.

Por fim, a taxa de desemprego manteve-se nos 5% em janeiro e fevereiro, tendo subido ligeiramente para 5,1% em março. O número de trabalhadores migrantes aumentou 1,1% em relação ao ano anterior para 174,41 milhões, o que reflete a “solidez da economia”. Xing salientou que nas grandes cidades “esse índice foi inferior a 5%.”

Pequim tem feito esforços para conduzir o país a um crescimento mais lento e sustentável, baseado no consumo doméstico, para reduzir a dependência no comércio e no investimento.

FST // EJ

Lusa/FIM

Mundo

Bebé que nasceu com “madeixa” branca faz sucesso nas redes sociais

Publicado

em

Uma menina que nasceu com uma madeixa branca no cabelo está a fazer furor nas redes sociais no Brasil. A mãe da criança, a publicitária Talyta Youssef, de 40 anos, revelou que a Maternidade Sofia Feldman, em Tupi, Belo Horizonte, parou para conhecer a “menina da mechinha”.

Segundo ela, foi até difícil sair do hospital devido à muita curiosidade que despertou

“A primeira selfie dela foi tirada com minutos de vida. No dia em que recebi alta, todo mundo pedia para tirar fotos com ela…”

O estrelato de Maya saiu da maternidade e está a conquistar o mundo depois de um ensaio fotográfico feito por Paula Beltrão, nove dias depois do nascimento, como conta o R7.

A fotógrafa, que ficou encantada com a marca da menina, ofereceu as fotos ao se deparar com “tamanha beleza”.

“Foi muito especial fazer este trabalho. A mecha é um charme e a Maya é extremamente boazinha. Eu pensei em toda cenografia para destacar os fios reluzentes do cabelo dela…”

Além da decoração marcada por tons brancos e prateados, um elemento natural completou as cenas: a mecha dos cabelos da própria mãe da bebé. Assim como a filha, Talyta Youssef tem a mesma marca desde que nasceu.

Trata-se de uma alteração na produção de melanina, conhecida como piebaldismo. A desordem genética é hereditária, e já está na família, de origem síria, há várias gerações. Além das duas, o avó, a mãe dela, uma tia e dois primos têm a mesma condição.

Maya é a primeira filha do casal, e nasceu de uma gravidez não planeada. Talyta e o marido moravam na Áustrália há quatro anos quando souberam da gestação, em fevereiro deste ano. Por questões de saúde, eles voltaram para o Brasil e, novamente, a filha apanhou o casal de surpresa.”

“Eu não esperava toda esta atenção… Estamos achando engraçado…”

 

Continuar a ler
Publicidade

ÚLTIMAS

TRENDING