Segue-nos

Famosos

Catarina Furtado assinala Dia Internacional da Educação: “Eu aplaudo o quanto os docentes se sacrificaram…”

PUBLICIDADE

No dia em que se assinala o Dia Internacional da Educação, a apresentadora recordou o panorama atual dos docentes e ainda o trabalho árduo durante a pandemia.

Publicado

em

Por

Catarina Furtado assinala Dia Internacional da Educação: “Eu aplaudo o quanto os docentes se sacrificaram…”
Reprodução Redes sociais

Nesta terça-feira, dia 24 de janeiro, assinala-se o Dia Internacional da Educação. Num momento em que as greves dos professores se fazem sentir por todo o país, Catarina Furtado, um dos rostos mais populares da televisão, deixou uma sentida reflexão nas redes sociais.

Através da conta pessoal do Instagram, Catarina Furtado assinalou o Dia Internacional da Educação com um longo desabafo onde começou por destacar uma “crise geral no sistema educativo”: “No nosso país os professores estão descontentes e nós cidadãos e pais (os que o são) só podemos também estar descontentes. A meu ver, há uma crise geral no sistema educativo que vai desde o currículo escolar, que não consegue acompanhar captação de interesse (e nalgumas casos, de utilidade futura) os jovens deste nosso tempo”, começou por escrever na legenda da publicação.

PUBLICIDADE

“Os meus adolescentes não têm grande motivação em aprender o que lhes é ensinado. Sentem também o cansaço e o descontentamento de alguns professores”, acrescentou.

A apresentadora da RTP1 ainda recordou os momentos de confinamento exigidos durante a pandemia e realçou o trabalho árduo dos professores: “Eu aplaudo o quanto os docentes se sacrificaram, por exemplo, durante a pandemia, eu aplaudo os que escolheram esta nobre profissão e a encaram como missão (a minha mãe foi sempre professora!). Mas também sei que em muitas escolas, jovens e professores andam numa guerra de comunicação”, afirmou.

“O tempo destes pré e adolescentes é outro. As ferramentas de que são viciados, competem injustamente com as técnicas pedagógicas de quem ensina. E agora? Nós temos de fazer parte da mudança, ajudando a que os professores tenham mais e melhores condições e que cheguem à sala de aula com uma boa dose de empatia”, destacou ainda.

PUBLICIDADE

Já no final da publicação, Catarina Furtado deixou um agradecimento especial a todos os docentes: “Obrigada a cada um de vocês que dá o seu coração aos nossos filhos. E aos professores especiais, que independentemente da disciplina, me convidam para dar palestras sobre direitos humanos. E é um dos mais valiosos direitos humanos que temos de proteger”, terminou.

Ora veja:

COMENTÁRIOS

TRENDING

v