Segue-nos

Relações

Aluna do 5º ano escreveu 7 regras para os rapazes falarem com raparigas, e a internet aprovou

Publicado

em

Queres saber como se fala com raparigas. Esta rapariga do 5º ano inventou 7 regras, e que servem para miúdos e graúdos!

Quando a escola começou, em 2016, Zoe já estava farta dela. Especialmente, de um rapaz na sua turma de nome Noah. Noah, como qualquer rapaz do 5º ano, não sabia falar com uma rapariga sem ser, ou de uma forma obscena, ou de uma forma pouco inteligente…

Segundo o utilizador do Twitter com o nickname @WhosDenverJones, amigo da professora daquela turma, Zoe explicou ao rapaz que não devia proceder daquela forma, como conta o site UpWorthy.

Mas Noah , persistente e teimoso, decidiu continuar e insistiu… Como insistem todos os miúdos que se apaixonam pela primeira vez!

Zoe decidiu, então, tomar as rédeas da questão e escrever uma carta, a cores, com as regras da ‘corte’ e do romance e que um rapaz deve fazer para começar a namorar com uma rapariga.

Apesar de infantil e cómica, a carta de Zoe não deixa de revelar alguns pontos cruciais nos relacionamentos; pontos esses muito superiores às crianças do 5º ano.

O Noah, provavelmente, não saberá fazer melhor e agora está confuso e triste… Mas a carta de Zoe consegue ser uma lição, para miúdos e graúdos!

Vamos lê-la:

1 “Não toques nos meus ombros”

Este é um pedido simples. A Zoe, como, aliás, qualquer mulher, não gosta que lhe toquem no ombro e em parte nenhuma do corpo sem autorização prévia… O corpo de uma mulher pertence a ela e a só ela!

2 “Não te coloques atrás de mim, a fazer essas parvoíces que fazes. Aliás, não te metas atrás de mim nunca!”

Uma vez mais: isso é invasão de espaço pessoal. Homens: já ouvirem falar em privacidade? Invadirem o espaço de outra pessoa só porque sim, não é nada sensato. E isto é algo que todos os homens tendem a fazer com bastante frequência! Tomem atenção à privacidade das outras pessoas, sim?

3 “Não fales comigo a não ser que me estejas a cumprimentar, o que nunca fazes”

Odeio dizer-vos isto, mas… Ninguém vos deve uma conversa! Se alguém não quer conversa, não deve ser obrigada a isso, certo? Não interessa se pode parecer educado ou querido… Se a outra pessoa não está disposta a uma conversa, não conversa e pronto, ok? Ah e uma pista: não tentem iniciar uma conversa com um grito do outro lado da rua, boa? Não é nada fixe!

4 “Pára de brincar comigo no autocarro”

Isto pode parecer muito especifico em relação à situação da Zoe e do Noah, pela localização no autocarro, mas, na verdade, é transversal a todos os lugares do mundo! Só porque os homens têm um ambiente com muita gente, não significa que tentem falar com todas as mulheres que ali estão…  Se estão num parque infantil ou num jardim e veem uma mulher gira a ouvir música com uns auscultadores, deixeim-na estar ok. Não é líquido que ela queira falar convosco…

5 “Eu tenho mau feitio e tu estragas-me o dia porque brincas demasiado”

Há aqui duas coisas que devem ser tidas em consideração. Primeiro, quando alguém te diz o que deves fazer para a manter sã, deves segui-lo à risca! Seja o que for o que isso implica, fisica ou verbalmente, isto é, se, por exemplo, a outra te diz para te sentares e esperares pelo comboio ou para – mesmo achanado que ela é bonita – não a chateares, é o que deves fazer. A segunda verdade que Zoe escreveu foi relativamente ao facto das mulheres terem de trabalhar sempre o dobro para serem reconhecidas pelo seu trabalho e para terem o crédito merecido. A culpa não é dos homens, mas infelizmente é a forma como a sociedade funciona. Tendo isso em conta, ela não tempo para os teus joguinhos…

6 “Relê 500 vezes”

A Zoe pode estar no 5º ano, mas a Zoe está, com esta regra, a reforçar o facto de todas as mulheres terem, muitas vezes, de repetitem as suas ideias vezes e vezes sem conta… Sim, a verdade é essa, não se sabe por que motivo, mas os homens por e simplesmente não ouvem! Será porque não prestam a devida atenção? Talvez, porque quando ouvem os a igos o cenário é diferente!

7 “Tu gostas de mim para ser tua namotrada, mas eu não gosto de ti para ser tua namorada, sou muito nova”

Esta é a ideia base do conse timento. Não é não ok?

No fundo, o que a carta de Zoe sublinha é que, mais importante do que deixarmos os rapazes serem rapazes é exlicarmos-lhe algumas regras base da convivência, como o cnsentimento, por exemplo , e que ninguém é dono do corpo e das emoções de outra pessoa.

Idealmente, a educação começarámuito antes do 5º ano, mas, no caso de rapazes como o Noah, mais vale tarde que nunca!

Num mundo ideal, Zoe não teria nunca de ter de se explicar com tanta eloquência.

Mas o facto de o ter feito e de ter, na verdade, abordado temas transversais a tantas mulheres, é algo fantástico e que significa que algo está a mudar no mundo e a mudar para melhor…

TRENDING