Segue-nos

Famosos

Advogada explica julgamento da morte de Sara Carreira e prevê: “O mais certo é que todos sejam condenados…”

Paula Varandas esteve no programa ‘Casa Feliz’, da SIC, resumiu o processo e a primeira semana do julgamento da morte de Sara Carreira…

Publicado

em

Advogada explica julgamento da morte de Sara Carreira e prevê: “O mais certo é que todos sejam condenados…”
Reprodução SIC e Reprodução/Redes sociais

A rubrica de análise criminal do programa ‘Casa Feliz’, da SIC, desta sexta-feira, dia 27 de outubro, iniciou com o resumo da primeira semana do julgamento da morte de Sara Carreira, filha de Tony Carreira, com o jornalista Hernâni Carvalho, a advogada Paula Varandas e a professora e investigadora Maria José Núncio.

Depois de duas sessões de julgamento realizadas na passada terça e quarta-feira, 24 e 25 de outubro, que foram marcadas pela partilha dos testemunhos dos quatro arguidos no processo, Ivo Lucas, Cristina Branco, Paulo Neves e Tiago Pacheco, a próxima audiência no Tribunal de Santarém ficou marcada para o dia 24 de novembro.

Em direto no programa da SIC, Paula Varandas explicou todo o processo que conduziu a este julgamento: “Aqui houve algumas posturas, por parte de alguns arguidos, pode ser estratégia mesmo dos próprios dos advogados no sentido de requerer uma abertura de instrução. Temos o acidente que causou a morte, abre-se um inquérito porque houve uma morte, após esse inquérito há uma acusação“, começou por explicar.

E nessa acusação ou o arguido se conforma ou então faz um mini debate instrutório, que é tipo um mini julgamento antes do julgamento final que está a acontecer agora. E em março deste ano, quase todos, com excepção do Ivo, requereram esta abertura de instrução, porque acharam que dos crimes de que eram acusados, deviam ser absolvidos“, acrescentou a advogada, que referiu que a família de Tony Carreira entrou “como assistente” no processo dada a vontade de “apurar alguns factos que achavam que estavam em falta na acusação“.

Seguiu-se o debate instrutório em que o juiz de instrução decidiu “pela prenuncia ou não prenuncia“: “É como se fosse uma segunda acusação, só que esta segunda acusação é mais pesada. Quem é que saiu daqui prejudicado? Foi exatamente o Ivo Lucas que do homicídio negligente simples, cuja pena ia até 3 anos, viu-se deparado com uma prenuncia desta feita por um juiz, e passa para homicídio negligente grosseiro, pelo excesso de velocidade que trazia“, explicou.

E aqui quando os arguidos pedem este mini julgamento, podem correr o risco de esgotar, que é o mais certo, todas as provas que tinham“, prosseguiu Paula Varandas, que acabou por prever a sentença que poderá vir ser aplicada aos quatro arguidos neste processo: “No julgamento que está a decorrer o mais certo é que todos sejam condenados pelos crimes que o juiz de instrução naquele mini debate indiciou. Na prática tenho algumas dúvidas que efetivamente isto vá resultar em prisão efetiva seja para quem for. Atendendo ao registo criminal, porque realmente aqui não houve intenção, aqui houve negligência, depois é apurar se houve a negligência do género ‘sem querer, não tive noção’ ou ‘eu devia ter tido noção mas mesmo assim isto não vai acontecer e acaba por acontecer’“.

Licenciado em Comunicação e Media e Mestre em Jornalismo e Comunicação, escrevo sobre televisão, reality shows, famosos e entretenimento...

COMENTÁRIOS

TRENDING