Familia

Mãe leva gravidez até ao fim para doar orgãos da filha que vai nascer com deficiência terminal

Uma mãe de Oklahoman, Estados Unidos, está a ser elogiada pela sua bravura e altruísmo, depois de decidir levar até ao fim a gravidez da sua filha, apesar de um defeito terminal, para que ela possa doar os órgãos.

Keri e Royce Young ficaram emocionados ao saber que estavam à espera de um segundo filho, mas essa alegria logo se transformou em angústia quando o casal descobriu que a menina que Keri estava a carregar não sobreviveria.

Mas, embora tenham ficado a saber desta notícia trágica apenas às 20 semanas de gravidez, deixando outras 20 até a data do vencimento, Keri tomou a decisão de levar a gravidez da sua filha a termo de qualquer maneira, na esperança de salvar a vida de outras pessoas.

O casal  ficou a saber dos problemas da sua filha na ecografia das 20 semanas, e logo depois disso Keri decidiu partilhar as notícias no Facebook, juntamente com a foto mais recente da ecografia.

Tatuagem de Fénix parece voar...

“Ela tem pés perfeitos, e mãos perfeitas. Ela tem rins perfeitos, pulmões perfeitos, e um fígado perfeito. Infelizmente, ela não tem um cérebro perfeito “, escreveu Keri. “Descobrimos que ela tem anencefalia, e é terminal.”

A anencefalia é um defeito de nascimento em que um bebé nasce sem partes do cérebro, e do crânio. É raro, e só ocorre em cerca de três em cada 10.000 gravidezes.

Apesar de ter sido informada de que a menina, que eles chamaram Eva, não sobreviveria, Keri tomou a incrivelmente difícil decisão de continuar com a gravidez até ao fim, para que os seus órgãos pudessem ser doados para salvar outras pessoas.

Esta não foi uma decisão fácil”, explicou Keri em dezembro. “Durante as próximas 20 semanas, sentirei os pontapés e poderemos ouvir o coração perfeito a bater, sabendo que só teremos algumas horas curtas com ela quando ela nascer.

Keri explicou que ela é pro-vida, em qualquer fase da gravidez, e por qualquer motivo, e permanece assim em face de sua provação atual, embora tenha admitido que ela e o seu marido consideraram o aborto quando receberam a notícia.

“Essas primeiras 24 horas foram as mais difíceis das nossas vidas. Estávamos exaustos, mas não conseguíamos dormir, e quando pensávamos que não tínhamos lágrimas, chorámos e chorámos de novo”, escreveu ela.

Numa reunião de acompanhamento com o médico de Keri, eles ficaram a saber que seriam capazes de doar as válvulas cardíacas, os rins, o fígado e talvez o pâncreas da sua filha, se a gravidez fosse levada até ao termo. Os pulmões poderiam ser doados para pesquisa.

“Neste momento eu sabia o que tínhamos que fazer, eu simplesmente não queria fazê-lo”, continuou Keri.

Em última análise, o casal percebeu que a filha poderia salvar várias vidas, algo que eles não poderiam dizer por si mesmos. E eles decidiram ir até ao fim.

O casal continua a partilhar atualizações, e na semana passada Royce foi ao Facebook para elogiar a esposa pela sua bravura e altruísmo.

“Na outra noite”, escreveu o marido, “eu estava a ver a minha bela esposa a dormir pacificamente no sofá. Olhei para ela, deitada ali, com a barriga grande, com a filha a chutar, uma filha que não viveria mais do que alguns dias, e me surpreendeu o quão incrível é esta mulher.”

“Literalmente, o pior momento da sua vida, descobrindo que a sua bebé ia morrer, levou menos de um minuto para pensar  noutra pessoa, e como seu altruísmo poderia ajudar”, escreveu ele. “É uma das coisas mais poderosas que já experimentei.”

“Santo Deus, esta mulher com quem me casei, tive sorte.” Mas este momento era diferente. Acontece que não só sou casado com o minha melhor amiga, mas com um ser humano verdadeiramente notável. “

Podes seguir o casal aqui: Facebook

To Top